25/12/2010
12:00
A Origem dos Símbolos do Natal

Embora quase todas as pessoas vêem o Natal como um feriado cristão, a maioria dos símbolos e ícones que nós associamos com celebrações de Natal realmente são derivados das tradições xamânicas, dos Povos Tribais da Europa Setentrional. A ICAR, no seu rolo compressor cultural, foi absorvendo e modificando estas tradições para se adequarem aos seus mitos e o resultado é uma festa cheia de símbolos os quais não temos a menor idéia do que representam.
O Natal sempre marca o solstício de inverno (hemisfério norte). É nesse período que os xamãs, até hoje, realizam rituais de passagem para um novo ciclo anual.

Rituais que incluiam o consumo de um cogumelo sagrado para essas pessoas, um cogumelo branco e vermelho conhecido como Amanita Muscaria. Estes cogumelos geralmente são... vistos em livros de contos de fada, associados com magia, duendes e elementais. Isto é porque contêm compostos enteógenos potentes, semelhantes aos do Chá de Santo Daime, e foram usados na antiguidade pelos xamãs para introspecção e experiências transcendentais. A maioria dos elementos importantes da celebração moderna de Natal, tal como Papai Noel, Árvores de Natal, Rena Mágica e o dar de presentes, originalmente são baseados sobre as tradições cercando a colheita e consumo destes cogumelos bem sagrados.

Os cogumelos de amanita muscaria crescem apenas sob certos tipos de árvores, principalmente abetos e sempre-verdes. Os bonés de cogumelo são a fruta do mycelium. Os celtas chamavam estes cogumelos de “a fruta da árvore.” Estas Pessoas ficavam surpreendidas em como estes cogumelos mágicos saltavam da terra sem qualquer semente visível. Consideraram isto “nascimento da virgem” ter sido o resultado do orvalho da manhã, que foi visto como o sêmen da divindade. O ouropel de prata (ou em sua versão mais moderna, aquelas correntes de lâmpadas) que nós cobrimos sobre nossa árvore de Natal moderna representa este fluido divino (o “fio de luz” que desce dos céus até a terra para gerar a vida).
As Renas
Existia uma tribo na antiga Sibéria chamada O Povo das Renas.
As renas eram para os siberianos o que o búfalo representa para os nativos americanos; forneciam alimento, protegendo, vestindo entre outras necessidades eram também consideradas a manifestação do Grande Espírito Rena, invocado pelos xamãs para resolver os problemas do povo. Nas suas jornadas xamânicas, ele viajava, em transe, em um trenó de renas voadoras, tal qual os Egípcios realizavam suas projeções Astrais sobre o Barco de Ísis.
A Viagem do papai Noel
Quando era tempo de sair e de colher os cogumelos mágicos, os xamanes antigos vestiriam-se muito como Papai Noel, usando casacos pele-aparados, brancos e castanhos e botas pretas longas
A aparência, a vestimenta, maneirismos do Papai Noel é como o conhecemos hoje vem da coca-Cola. Falarei sobre isso mais adiante.
Os Cogumelos e as Meias na Lareira
O cogumelo de amanita necessita ser seco antes de consumir; o processo de secagem reduz a toxicidade do cogumelo enquanto aumenta sua potência. Sabendo que estes cogumelos devem ser desidratados antes da ingestão cerimonial, seria bom secá-los antes de levá-los para casa. Conforme eles colhiam mais, eles selecionavam uma árvore na região central, e usavam seus galhos para colocar os cogumelos frescos, secando-os ao Sol.
E os cogumelos vermelhos e brancos são os enfeites de Natal mais antigos que se pode encontrar. Mais tarde, o xaman guiaria o grupo para colocar os cogumelos pendurados ao redor do lareira para o fogo secar. Esta tradição é ecoada no moderno enfeite de meias e outros itens pendurados sobre a lareira, onde são colocados presentes dentro.
Estas pessoas viveram em moradias feito de vidoeiro e couro de rena, chamado “yurts.” Algo semelhante a um teepee, a chaminé central do yurt freqüentemente também era usada como uma entrada, pois o acúmulo de neve impedia abertura de portas. Depois de reunir os cogumelos de sob as árvores sagradas onde apareceram, os xamans enchiam seus sacos e retornavam para casa. Desciam pelas chaminé-entradas e compartilhavam com os presentes os cogumelos recolhidos.
A primeira imagem do Papai-Noel associada à chaminés foi pintada em 1666 por Jan Steen, no quadro “Het Sint Nicolaasfeest” (A festa de São Nicolau).
São Nicolau e a Coca-Cola
São Nicolau é uma figura lendária que supostamente viveu durante o quarto Século. Sua seita expandiu rapidamente e Nicholas tornou-se o padroeiro de muitos grupos variados, incluindo juizes, penhoristas, criminosos, comerciantes, marinheiros, padeiros, viajantes, os pobres, e crianças.
Historiadores bem religiosos concordam que São Nicholas/Nicolau realmente não existiu como uma pessoa real, e era em vez disso uma versão Cristianizada de deuses Pagães anteriores. As lendas de Nicolau foram criadas principalmente após histórias sobre o deus teutônico chamado Segura Nickar. Este deus poderoso de mar foi visto a galope pelo céu durante o solstício de inverno, concedendo bênçãos a seus fieis embaixo.
Havia muitos templos à Segura Nickar ou Poseidon, e nesses “personagens” se deu a origem do caráter de São Nicholas da Igreja Católica. Esses templos, mais tarde, foram nomeadas igrejas em honra a São Nicolau. Tradições locais foram incorporadas nos novos feriados cristãos para fazê-los mais aceitável aos novos convertidos. A estes recentes cristãos, São Nicholas tornou-se um tipo de “super-xamã” que foi sobreposto sobre o próprio xamã e práticas culturais.
São Nicolau também adotou algumas qualidades do lendário “Befana de Avó” de Itália, que encheu meias das crianças com presentes. Seu relicário em Bari, Itália, tornaram-se um relicário a São Nicholas.
As imagens mais antigas dele o mostram usando VERDE, que era a cor dos lenhadores, até que em 1886 o cartunista maçom Thomas Nast o retratou usando as vestes que conhecemos hoje (Preto, Branco e Vermelho, as três cores da Alquimia: Nigredo, Albedo e Rubedo). No começo do século XX, a Coca-Cola fez uma campanha maciça de publicidade associando a imagem criada por Nast a seus produtos, já que as cores eram as mesmas de sua logomarca. Muita gente pensa que foi a Coca-Cola quem inventou o design do papai-noel, mas eles apenas utilizaram os desenhos alquímicos de Nast.

A Árvore da Vida e a Estrela Polar
A Árvore de Natal representa a própria Árvore da Vida: Uma Estrela Brilhante em seu Topo, simbolizando Kether, Esferas coloridas ao longo de seus galhos (tradicionalmente são 8 esferas: Hochma, Binah, Chesed, Geburah, Tiferet, Netzach, Hod e Yesod) acompanhadas ou não de Anjos e do ouropel e, finalmente, os Presentes colocados na sua Base, representando todas as dádivas de Malkuth.
A Estrela do Norte também era considerado sagrada, pois todas as outras estrelas no céu giravam em torno de seu ponto fixo. Eles associaram a “Estrela Polar”, com a Árvore do Mundo e o eixo central do universo. O topo da Árvore do Mundo tocou a Estrela do Norte, e espírito do xamã sobe na árvore metaforicamente, passando assim para o reino dos deuses. Este é o verdadeiro significado do Papai Noel fazer sua casa no “Pólo Norte”.
A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno e, desde o século IV pela Igreja ocidental e desde o século V pela Igreja oriental, celebra o nascimento de Jesus, como já visto em post anterior, os líderes do cristianismo, para a formação deste, só tiveram de adaptar as crenças e rituais antigos a um novo personagem: Jesus Cristo. Toda a roupagem necessária para vestir o novo deus preexistia. Apenas fazia-se necessário moldá-la um pouco.

Postado por: Willian Pereira
Categorias: , ,


0 comentários:

Postar um comentário